Julgando Pela Capa – 1984

Julgando Pela Capa – 1984

O Primeiro Julgado Pela Capa do ano falará de um clássico, do livro 1984 de George Orwell” (pseudônimo do indiano Eric Arthur Blair).

Vamos a sinopse:

Capa do Livro 1984 de George Orwell“Winston, o herói de 1984, último romance de George Orwell, vive aprisionado na grande engrenagem de uma sociedade totalmente dominada pelo Estado, onde tudo é feito coletivamente, mas onde cada qual vive sozinho. Ninguém escapa à vigilância do Grande Irmão, a mais famosa personificação literária de um poder cínico e cruel ao infinito. O’Brien, hierarca o Partido dominante em Oceania, é quem explica a Winston: ‘Não estamos interessados no bem dos outros, só nos interessa o poder em si. Nem riqueza, nem luxo, nem vida longa, nem felicidade, só o poder pelo poder, poder puro’.

Quando foi publicado, em 1949, poucos meses antes da morte do autor, essa assustadora distopia logo experimentaria um imenso sucesso de público. Seus principais ingredientes – um homem sozinho desafiando uma tremenda ditadura; a paixão furtiva e libertadora pela colega Júlia; os horrores letais – atraíram leitores de todas as idades, à esquerda e à direita do espectro político, com maior ou menor grau de instrução. Além disso, a escrita lúcida de Orwell, os personagens fortes e a trama movimentada e supreendente garantiram a entrada precoce de 1984 no registro panteão dos grandes clássicos modernos.

Muitos leram 1984 como uma crítica devastadora às belicosas ditaduras nazifascistas da Europa, de cujos terríveis o mundo ainda tentava se recuperar quando o livro foi lançado.Nos Estados Unidos, foi visto como uma fantasia de horror quase cômico dirigida contra o comunismo da hoje extinta União Soviética, na época sob o tacão de Stálin e seu Partido único e inquestionável. Entretanto, superando todas as conjunturas históricas, e até mesmo a data futurística do título, há muito ultrapassada, 1984 é uma obra magistral que ainda se impõe como poderosa reflexão ficcional sobre a essência nefasta de qualquer forma de poder totalitário”.

Expectativas: Ao ler o livro que cunhou o termo “Big Brother”, espero entrar em contato com um tipo de narrativa denso e em muito revelador. Espero, bem como todas as pessoas que o leram ao longo dos anos, transferir a realidade descrita para a minha e assim questionar pontos fundamentais para a política e o próprio mundo de hoje.

Mais que isso, aguardo também por uma narrativa envolvente e atual, com um ritmo agradável empolgante.

Vamos ler?

Não deixe de ouvir o LivroCast 022 – 1984

LivroCast 022 - 1984

Autor:

Publicitário e administrador por formação, viciado em livros e um músico mal-compreendido pelos amigos. Responsável pela sessão literária do Lokotopia e pelo LivroCast. Tenta ser sempre eclético e levar todos ao fantástico mundo da literatura. Twitter, Facebook e Google+.

aba-share
aba-comentarios